Esta é provavelmente a melhor playlist para seu treino de luta

Gosto musical não se discute, isso é um fato.  Só que quando se trata de música para ouvir nos treinos, a mágica acontece: quase todos concordam que os clássicos do rock são os melhores motivadores. Ou vai dizer que não fica empolgado para pular corda, bater saco, ou fazer um circuito quando começa a tocar “Eye of the Tiger” na Kiss FM?

Os colegas do MAX REEBO – que, vejam bem, nem são do circuito marcial, mas entendem do assunto – fizeram uma mixtape com alguns dos maiores clássicos / temas de filme da nossa juventude, com músicas como We Fight for Love (Comando para Matar),  Winner Takes it All (Falcão – O Campeão dos Campeões), You’re The Best (Karate Kid) e Danger Zone (TopGun).

O arquivo pode ser baixado clicando neste link, mas se quiser rodar o som direto do computador, acesse a página dos caras e clique no player.

And push it to the limit!!!

[ATUALIZADO] SHOOTO BRASIL #45 terá duelo (oficial) entre homem e mulher

TUF 18, Invicta FC, nova categoria no Ultimate Fighting, são apenas alguns exemplos da atenção que o MMA feminino tem recebido nos últimos tempos. Campeonatos de artes marciais envolvendo mulheres já não são considerados novidade, mas o reconhecimento merecido desta “divisão”, por assim dizer, está chegando de verdade agora.

Aproveitando este cenário para polemizar inovar, o Shooto Brasil anunciou que sua próxima edição Continuar lendo [ATUALIZADO] SHOOTO BRASIL #45 terá duelo (oficial) entre homem e mulher

Novidade no Blog: Porrada Versão Comentada

porradao

Olá pessoal, tudo bom?

Antes de darmos continuidade à nossa série – muito bem recebida, por sinal – “Porque TODOS os lutadores deveriam Boxear“, estou passando para falar da estréia de uma nova parceria do Elite Marcial: o “Porrada Versão Comentada“. Tocado pelos entusiastas André “Ninpo” Bittencourt e Lener Ribeiro, o Porrada é um programa sermanal no YouTube dedicado à discussão de tudo o que rola de mais importante no cenário mundial do MMA, Boxe, Kickboxe, entre outras diversas modalidades (ou eventos).  Uma ótima pedida para quem curte o assunto e quer ouvir / discutir a opinião de outras pessoas que entendem. A partir de agora, além do YT, leitores do nosso blog poderão acompanhar os videos do Porrada por aqui também.

Nesta postagem de estréia, confira o -não mais recente, mas igualmente ótimo- episódio 49, que entre outros assuntos, discute a polêmica decisão do combate entre Georges St-Pierre e Johny Hendricks, no UFC 167:

Porque TODOS os lutadores deveriam Boxear – Parte 2

Dando continuidade à nossa nova série de artigos, vamos ao segundo motivo do porquê TODOS os lutadores deveriam aprender a boxear, independente de seus “estilos” principais.

Velocidade do Reflexo

O ritmo em uma luta de boxe costuma ser muito mais rápido do que em outras artes marciais. Nós nos aproximamos atacando com as duas mãos praticamente ao mesmo tempo, isso quando não atacamos e defendemos ao mesmo tempo. Com absoluta certeza o boxe acontece em um ritmo mais rápido que o do wrestling ou lutas de “chão” em geral, que são mais baseadas em força e alavancas, e você acaba tendo mais tempo para pensar enquanto organiza seu ground game. No boxe esta janela de tempo não existe. Uma vez que você se encontra engajado com o oponente, é melhor estar lutando. Se estiver planejando pensar no ringue, melhor que esteja preparado para fazer isso enquanto soca e toma socos (e você já tentou pensar com clareza enquanto leva pancadas na cabeça? Tente). Realmente não existe – a não ser pelo intervalo – tempo ou local “de boa” para você ficar protelando.

Lutas são muito (MUITO) mais próximas quando chutes não são permitidos

Mas e quanto aos estilos marciais que envolvem chutes? Eu costumava pensar que uma forma de luta com 4 armas (mãos e pernas) teriam um ritmo muito mais rápido que um com somente 2 armas (mãos, no caso), mas não é bem assim, aparentemente. Continuar lendo Porque TODOS os lutadores deveriam Boxear – Parte 2

Porque TODOS os lutadores deveriam Boxear – Parte 1

Why ALL Fighters Should Learn Boxing
Boxe pode te ensinar mais sobre luta do que você imagina

Aqueles que nunca tentaram boxear poderiam facilmente dizer:

  • Porque me preocupar com um estilo de luta limitado ao uso das mãos?
  • Sem chutes, joelhadas ou cotoveladas? Boxe não é luta de verdade.
  • Boxe é somente sobre acertar um soco que leve ao nocaute, qualquer um pode ser sortudo o suficiente.
  • A técnica de soco dos boxeadores é bem ruim.
  • Boxe é tão feio que parece uma briga de rua.

Já os que TENTARAM, diriam facilmente: Continuar lendo Porque TODOS os lutadores deveriam Boxear – Parte 1

Diferença entre Boxe Tailandês, Kickboxing e Full-Contact

Image

Image

Image

Image

Bom, muita gente confunde as regras entre os estilos citados. Inclusive esses estilos têm bastante participação em “Campeonatos Abertos de Artes Marciais” além dos organizados pelas suas próprias federações.

O Full Contact é o primeiro nome, nascendo de uma junção dos SOCOS do Boxe com os CHUTES do Karatê, Taekwondo e outros. Surge no inicio dos anos 70 promovido pela PKA (Professional Karate Association), como primeira forma híbrida de competição entre diversos estilos de Artes Marciais permitindo o uso das técnicas de pernas das artes marciais juntamente com as técnicas de punhos do boxe. Nos anos 80 surge um novo estilo de Full-contact promovido pela WKA, o Full-contact com Lowkick (Kickboxing) por influencia do Muay Thai.

O número de praticantes cresceu e foram criadas modalidades do esporte, que então passou a ser chamado de kickboxing: semi contact, light contact, full-contact, low kick, thai boxing, observação para esse último que, não é o Muay Thai em si, mas um estilo de luta praticamente igual, mas que obedecem as regras estabelecidas pela Wako.

Abaixo, mostramos  as cinco lutas, com as regras da Associação Mundial de Kickboxing (Wako).

SEMI CONTACT

Modalidade disputada em tatame, vence quem pontua mais. Nokaute é expressamente proibido. A cada golpe que “entra” o combate é interrompido e os pontos são anotados. Os pontos são dados por socos, chutes e saída da área de competição.

Perde-se ponto por cada infração, podendo causar a desclassificação.

Não pode – Golpes abaixo da linha da cintura, no pescoço e nas costas; rasteira acima do tornozelo; golpes com muita violencia.

LIGHT CONTACT

A pontuação é idêntica à do semi contact, mas há uma diferença fundamental: a luta não pára a cada golpe válido. Só se interrompe o combate quando os lutadores saem do tatame ou ao final dos rounds, que, assim como no semi, têm dois minutos. Muitas vezes é realizado em ringue, depende do evento.

Não pode – Idêntico ao semi.

FULL-CONTACT

Nessa e nas 2 modalidades seguintes, são em ringue, há menos restrições e o objetivo é o nocaute. Aqui, só valem golpes acima da cintura. A pontuação é igualzinha à do boxe: os lutadores recebem de 8 a 10 pontos por round, mas o nocaute é o principal objetivo. Quem der menos de seis chutes por round perde pontos

Não pode – Golpes abaixo da linha da cintura, no pescoço e nas costas; rasteira acima do tornozelo; cotovelada e joelhada

LOW KICK

À primeira vista, é idêntico ao full-contact. So que no low kick também vale golpear a coxa do adversário. A pontuação é igual à do full, assim como o número mínimo de chutes por round (seis).

Não pode – Golpes abaixo dos joelhos, no pescoço e nas costas; rasteira acima do tornozelo; cotovelada e joelhada

THAI BOXING

A primeira diferença é o uniforme: no Thai, usa-se short e não há proteção nos pés. Mas a principal distinção é que, assim como no muay thai, valem golpes em qualquer parte do corpo e não há limite mínimo de chutes

Não pode – Cotovelada; segurar o adversário por mais de cinco segundos

O Tédio de um Gênio

1017134_10151725413696276_1669761733_n

O olhar vazio em direção ao árbitro Herb Dean nesta imagem, que retrata um Anderson Silva “desligado”, no chão, alheio aos consecutivos golpes do desafiante Chris Weidman, confirma o improvável até então: a derrota de um dos maiores ícones da história do Ultimate Fighting Championship.

Muito se falou desde o fatídico final do UFC 162 (sábado do dia 06/07/13), e até uma revanche já foi marcada (UFC 168, em Novembro), mas em meio a tantas especulações, meias entrevistas, opiniões de técnicos e outros profissionais da área, uma me chamou a atenção: um texto publicado no excelente site Fightland (um dos braços da revista de internet Vice). Por questões de rotina corrida este texto demorou um pouco mais que o previsto para ser traduzido e publicado aqui. Ainda assim, creio que vale a pena perder uns minutos nele.

O artigo, em tradução livre, você confere abaixo. Continuar lendo O Tédio de um Gênio

Boxe: 8 Dicas do Campeão Olímpico Andre Ward

Andre Ward

Campeão mundial (super médio) das ligas WBA e WBC, o americano Andre “Son of God” Ward é conhecido no meio pugilista pelo excelente jogo de pernas e desenvoltura em suas lutas. Nascido em 1984, já foi campeão Olimpico (Athenas, 2004) e ocupa o segundo lugar no ranking mundial pound-for-pound de veículos como Yahoo! Sports, ESPN, Sports Illustrated e a revista The Ring.

Em 2012, em uma entrevista cedida à excelente Fighting Fit Magazine, Ward deu 15 conselhos que o ajudaram a chegar onde está. Eu traduzi 8 destes, que considerei mais bacanas tanto para iniciantes quanto veteranos. Note que apesar do foco no boxe, vários podem ser aplicados em outros estilos competitivos: Continuar lendo Boxe: 8 Dicas do Campeão Olímpico Andre Ward

Discussão, estudo e divulgação de artes marciais e esportes de contato.

%d blogueiros gostam disto: